É incontestável que a advocacia, uma das carreiras mais antigas e tradicionais, já passava por um lento processo de adequação ao mundo digital.   Não obstante, o isolamento social imposto pela propagação do COVID-19 trouxe um maior impulso para esse movimento, culminando assim em mudanças permanentes na forma de trabalho de milhares de advogados, conforme analisaremos melhor a seguir.

Atendimentos virtuais

A comunicação com os clientes é essencial para o mercado jurídico.  Entretanto, com os encontros presenciais reduzidos por conta da pandemia, inúmeros advogados vêm atendendo seus clientes por meio de plataformas virtuais como Webex, GoToMeeting, Zoom e Skype.  

Ademais, diversos escritórios vêm disponibilizando materiais de orientações para seus clientes, de forma gratuita, em seus sites e mídias sociais.  Dessa forma, além da maior praticidade, a tendência é que esses atendimentos virtuais tenham valores mais flexíveis, devido à redução dos custos com transporte e espaços físicos.

Trabalho Remoto

Com as normas de distanciamento social, muitas empresas têm realizado rodízios entre seus empregados, permitindo assim que parte dos trabalhadores mantenham a presença nas sedes físicas, ao mesmo tempo que há uma redução na chance de contaminação de Covid-19.

Assim sendo, para ajudar com essa mudança, diversos escritórios tem adquiridos aplicativos para atuarem como ambientes virtuais de trabalho. Dentre os principais exemplos, encontram-se o Citrix e o VMware, os quais tornam simples e lucrativo trabalhar em qualquer local que tenha uma boa conexão de internet.

Audiências online

Por outro lado, as ferramentas tecnológicas têm proporcionado o crescimento das audiências por videoconferência entre advogados e os agentes jurídicos. Sendo que essa prática já está sedo vista por especialistas como algo que veio para ficar, contribuindo assim tanto para a modernização da relação cliente-advogado, quanto para a desburocratização da justiça.

De acordo com Coriolano Camargo, doutor em direito, “Hoje temos a possibilidade de divórcio online e as pequenas causas têm conciliação virtual. O Conselho Nacional de Justiça abriu a possibilidade de que as sustentações possam ser feitas no sistema de conferência e vídeo disponibilizado pelos tribunais”.

Não obstante, é importante pontuar que ainda restam inúmeras dificuldades devido à desigualdade tecnologia do país. Dessa forma, é evidente que muitos juristas ainda não possuem uma internet de qualidade ou as ferramentas tecnológicas para a realização dessas audiências ou de atendimentos online. Ao mesmo tempo, inúmeros juizados e fóruns também não possuem suporte tecnológico suficiente para promover todos os julgamentos virtuais demandados.

 Com as novas inovações que vem sendo implementadas, dúvidas antigas viraram certezas e novos desafios vem surgindo. Destarte, a tecnologia no meio jurídico veio para ficar e proporcionar agilidade e qualidade de vida aos clientes e operadores do direito.

Para mais informações sobre este e outros temas, nos contate através do e-mail contato@brissacefonteles.adv.br ou em uma de nossas redes sociais.

Equipe BFA